Preparando-se para o Combate Real – Ricardo Nakayama

“Liberte o tigre que há em você!”
Imagine-se frente a frente com um indivíduo armado disposto, não a intimidá-lo, mas a matá-lo. Imagine o estampido de um disparo percorrendo rapidamente o espaço chegando a seus ouvidos. Muitos de nós nunca passamos por uma situação real em que se coloca a prova nossa capacidade de superar nossos medos e colocar em prática o que aprendemos. De maneira geral, em nossas ocupações diárias, um acontecimento que coloque em risco nossa vida é raro. Quando acontece, a imprevisibilidade de nossas reações dita se iremos viver ou morrer. Em um combate os ferimentos são reais, muitas vezes sérios e podem demandar grandes cuidados médicos posteriores. Além disto, mesmo pequenos ferimentos podem levar a incapacitação parcial ou total. É fato que um simples tiro de raspão pode afetar nossa concentração, nossa confiança e nosso espírito de luta, além de incapacitar certos movimentos. Muitas pessoas chegam a apresentar hipotensão ao verem sangue. Algumas chegam até a desmaiar ou vomitar.

O agente de segurança como qualquer outra pessoa tem reações negativas e positivas. A reação negativa se caracteriza um estado de paralisia mental, onde o agente de segurança fica completamente parado, não conseguindo obedecer a comandos simples, como “saia do carro”, por exemplo, o que pode provocar, inclusive, uma escalada no uso da força por parte do marginal, que imagina estar sendo ignorado; ou “ativação biomecânica desordenada”, onde a vítima, completamente desesperada, começa a tomar atitudes sem sentido, fazendo com que o criminoso fique mais agressivo em sua abordagem. Positivamente o agente de segurança diminui o tempo entre o pensar e o agir, respondendo prontamente a ameaça.

Neste contexto o controle da dor é essencial, assim como a frieza para lidar com sangue e ferimentos, tanto próprios como do adversário (pois ao contrário do que ocorre nos filmes, um oponente ferido não desfalece pacificamente ao receber um tiro certeiro). É preciso estar preparado psiquicamente, pois as cenas e os sons em um contexto de luta real diferem muito daqueles presenciados nos treinos. Além disto, quantos de nós está de fato preparado para receber um tiro (praticamente inevitável em uma situação real)? Pense: será que sua técnica se manteria se você estivesse com dor ou sangramento?

Nos treinos, quando recebemos um golpe fatal ou quando estamos acuados ou se nos ferimos, damos uma pausa e depois continuamos. Este é um hábito que pode criar condicionamentos desfavoráveis, fatais num combate real (no qual, mesmo com grande desvantagem ou feridos, não podemos simplesmente “jogar a toalha”). O comedimento e o respeito frente ao nosso colega de treinamento também podem limitar nosso condicionamento, pois moldam nossa atitude. Numa luta real podemos desviar a atenção do adversário com atitudes, gestos ou palavras por tempo necessário para que se desfira um golpe fatal. Deve-se lembrar que para sobreviver não há regras. O domínio do emocional do oponente pode estar em nossas palavras, assim como sua forma de lutar (com mais ou menos precaução). Intimidá-lo, induzi-lo a erros, enganá-lo pode ser uma forma de vencê-lo.

Treinar em contextos próximos dos reais é o ideal, obviamente tomando-se as devidas precauções para que acidentes mais graves não ocorram.
Algo que se pode ver em filmes e que na vida real pode ser bastante amedrontador é o adversário mostrando, através de automutilação, que está pronto para morrer no combate, sendo a dor algo secundário. Lembre-se, não subestime um indivíduo que está acuado, desesperado ou não tem nada a perder. Mesmo um indivíduo drogado, em fuga, ou defendendo algo que lhe é muito importante pode realizar verdadeiras façanhas e nos surpreender mesmo gravemente ferido. Antes de sair atacando estude a atitude, a segurança e a habilidade de seu adversário. Se você perceber que suas chances de vencê-lo são mínimas, fuja. Lembre-se dos ditos de Sun Tsu:
“Se você não conhece a si mesmo e nem a seu inimigo, perderá todas as batalhas. Se você conhece a si mesmo, mas não conhece seu inimigo perderá metade de suas batalhas. Se você conhece o inimigo e a si mesmo não precisa temer o resultado de cem batalhas”.

Da mesma forma que você pode induzir seu adversário a respostas emocionais através de provocações, atitudes ou gestos, ele também pode fazê-lo com você. Controle emocional é essencial para quem está lidando com a vida de pelo menos duas pessoas. Deve-se saber quando é prudente atacar e quando é sábio fugir. Além disto, o orgulho e o afã da luta não podem cegá-lo a ponto de induzir que você pratique um excesso do qual se arrependa amargamente depois. A profissão de segurança não é para vingança, não somos juizes, nem executores, é para defesa de sua própria vida ou das pessoas que confiaram em nosso serviço.

Texto: Ricardo Nakayama